Configurando o compliance de e-mail para encaminhamento de mensagens enviadas no Google Apps

O Google Apps for Business possui recursos interessantes que podemos utilizar. Um dos recursos avançados é o compliance de conteúdo no Gmail. Nele é possível criar regras de direcionamento de entrada, saída e diversas outras funcionalidades.

Neste nosso exemplo habilitaremos o compliance de conteúdo para criar uma regra para encaminhar uma cópia dos e-mails enviados para uma determinada conta.

1º) Abra o console do Google Apps e clique no e ícone Google Apps;
2ª) Clique em Configurações do Gmail / Configurações avançadas;
3º) Na tela que irá abrir clique no domínio, e na busca no topo da página digite compliance do conteúdo;
4º) No campo Compliance do conteúdo passe o mouse para o lado direito da tela irá abrir um menu, clique em Adicionar outro
5ª) Na tela de edição “Editar configuração” coloque o nome da regra que quer criar,
No campo 1. Mensagens de e-mail afetadas clique em Saída e Interno – enviando. No campo 2 em expressões coloque o e-mail que deseja adicionar para copiar os e-mails.

No campo 3. clique em avançado e clique em adicionar cabeçalhos completos. Ainda no campo 3 selecione a opção Entregar também a: ( e adicione os endereços que devem receber uma cópia ). Para finalizar clique em Salvar

1_compliance_conteudo

2_compliance_conteudo

Criando um Pendrive bootavel do Ubuntu no OS X

Neste final de semana precisei subir um servidor com Ubuntu Server para testar uma aplicação e precisei gerar um Pendrive bootavel com o Ubuntu Server. Apesar de bem especifica esta dica estou enviando para aqueles que estiverem precisando.

Softwares necessários
Imagem ISO do sistema Ubuntu

Hardware
2GB disponíveis em disco para gerar a imagem temporária em IMG.

1) Passo
Primeiramente precisamos converter a imagem ISO em IMG para que possamos transferir para o Pendrive bootavél. Para isto use o comando abaixo:

hdiutil convert -format UDRW ubuntu-14.04-desktop-amd64.iso -o ubuntu-14.04-desktop-amd64.img

2) Passo
Insira o pendrive em seu computador e primeiramente formate ele com file system fat32 com boot pelo MBR. Depois use o comando abaixo para identificar o id do dispositivo que você está utilizando


diskutil list
/dev/disk0
#: TYPE NAME SIZE IDENTIFIER
0: GUID_partition_scheme *1.0 TB disk0
1: EFI EFI 209.7 MB disk0s1
2: Apple_HFS OSXHDD1 700.2 GB disk0s2
3: Apple_HFS OSXHDD2 299.5 GB disk0s3
/dev/disk1
#: TYPE NAME SIZE IDENTIFIER
0: FDisk_partition_scheme *4.0 GB disk1
1: DOS_FAT_32 UNTITLED 4.0 GB disk1s1
/dev/disk2
#: TYPE NAME SIZE IDENTIFIER
0: Apple_partition_scheme *591.4 MB disk2
1: Apple_partition_map 4.1 KB disk2s1
2: Apple_HFS 2.4 MB disk2s2
/dev/disk3
#: TYPE NAME SIZE IDENTIFIER
0: Apple_partition_scheme *591.4 MB disk3
1: Apple_partition_map 4.1 KB disk3s1
2: Apple_HFS 2.4 MB disk3s2

Como pode verificar na saída do comando acima o id do dispositivo é /dev/disks1 que está com o nome de Untitled e com file system fat32. Agora é necessário desmontar este dispositivo.

diskutil umountDisk /dev/disk1

3) Passo
Agora que já criamos o file system com possibilidade de boot via MBR você deve transferir o conteúdo da imagem do sistema para o pendrive. Para isto usaremos com comando DD.

dd if=ubuntu-14.04-desktop-amd64.img.dmg of=/dev/disk1 bs=1m

Depois deste processo eject o disco para que você possa removelo com segurança.

diskutil eject /dev/disk1

Pronto agora é só conectar o pendrive na máquina que deseja instalar o sistema

Até a próxima

Aumentando um volume LVM ( artigo em inglês )

Increasing the logical volume

We use the pvcreate command which creates a physical volume for later use by the logical volume manager (LVM). In this case the physical volume will be our new /dev/sda3 partition.

root@Mega:~# pvcreate /dev/sda3
  Device /dev/sda3 not found (or ignored by filtering).

In order to get around this you can either reboot, or use partprobe/partx as previously mentioned to avoid a reboot, as in this instance the disk does not appear to be there correctly despite showing in “fdisk -l”. After a reboot or partprobe/partx use the same command which will succeed.

root@Mega:~# pvcreate /dev/sda3
  Physical volume "/dev/sda3" successfully created

Next we need to confirm the name of the current volume group using the vgdisplay command. The name will vary depending on your setup, for me it is the name of my test server. vgdisplay provides lots of information on the volume group, I have only shown the name and the current size of it for this example.

root@Mega:~# vgdisplay
  --- Volume group ---
  VG Name               Mega
...
VG Size               19.76 GiB

Now we extend the ‘Mega’ volume group by adding in the physical volume of /dev/sda3 which we created using the pvcreate command earlier.

root@Mega:~# vgextend Mega /dev/sda3
  Volume group "Mega" successfully extended

Using the pvscan command we scan all disks for physical volumes, this should confirm the original /dev/sda5 partition and the newly created physical volume /dev/sda3

root@Mega:~# pvscan
  PV /dev/sda5   VG Mega   lvm2 [19.76 GiB / 0    free]
  PV /dev/sda3   VG Mega   lvm2 [10.00 GiB / 10.00 GiB free]
  Total: 2 [29.75 GiB] / in use: 2 [29.75 GiB] / in no VG: 0 [0   ]

Next we need to increase the logical volume (rather than the physical volume) which basically means we will be taking our original logical volume and extending it over our new partition/physical volume of /dev/sda3.

Firstly confirm the name of the logical volume using lvdisplay. This name will vary depending on your setup.

root@Mega:~# lvdisplay
  --- Logical volume ---
  LV Name                /dev/Mega/root

The logical volume is then extended using the lvextend command.

root@Mega:~# lvextend /dev/Mega/root /dev/sda3
  Extending logical volume root to 28.90 GiB
  Logical volume root successfully resized

There is then one final step which is to resize the file system so that it can take advantage of this additional space, this is done using the resize2fs command. Note that this may take some time to complete, it took about 30 seconds for my additional space.

root@Mega:~# resize2fs /dev/Mega/root
resize2fs 1.41.12 (17-May-2010)
Filesystem at /dev/Mega/root is mounted on /; on-line resizing required
old desc_blocks = 2, new_desc_blocks = 2
Performing an on-line resize of /dev/Mega/root to 7576576 (4k) blocks.
The filesystem on /dev/Mega/root is now 7576576 blocks long.

That’s it, now with the ‘df’ command we can see that the total available disk space has been increased.

disk free after expansion

Criando um cluster de disco com o Xen Server com volumes NFS

Um dos meus últimos desafios foi criar um cluster para storage de 60TB de baixo custo. Procurando algumas soluções proprietárias o custo de implementação sairia em média US$ 50.000,00. Sendo assim resolvi resolver a situação utilizando a plataforma Open Source Xen Server 6.2 para virtualizar um SO e anexar discos nele via NFS. Para facilitar o aprendizado irei anexar o cluster com apenas um volume NFS mas você poderá crescer até o tamanho que precisar.

Sendo assim temos a seguinte situação:

Xen Server 6.2 -> 192.168.1.1
VM Debian -> 192.168.1.2
Servidor Debian NFS -> 192.168.1.3

Estou levando em consideração que você já tenha o Xen Server 6.2 instalado em uma máquina física e que esta máquina estará com o endereço de IP conforme na tabela acima ( 192.168.1.1 ) e com uma VM no meu caso estou usando o Debian 7 como sistema operacional que é o sistema que utilizaremos para armazenar compartilhar o volume de dados do cluster.

1) Servidor Debian NFS
Primeiramente começaremos com o compartilhamento de um volume via NFS no Debian. Neste exemplo tenho 03 discos de 3 TB em LVM em meu storage em um total de 8.5 TB

Você deve abrir o arquivo /etc/exports e configurar como no exemplo abaixo:
/volumes/nfs_share 192.168.1.1(rw,sync,no_subtree_check,no_root_squash)

* Explicando: Estou informando ao sistema que compartilharei a pasta /volumes/nfs_share com o endereço de IP 192.168.1.1 ( nosso XenServer ) com as flags:
rw: Leitura e gravação
sync: Gravação de dados de forma sincronizada
no_subtree_check: O recurso de verificação de subtree pode produzir problemas quando um arquivo requisitado é renomeadose um cliente está com ele aberto. O no_subtree_check previne este tipo de problema
no_root_squash: Esta flag é importante para utilizar em nosso cluster pois permite que o usuário root do servidor Xen monte o volume NFS

Depois de adicionado reinicie o servidor NFS seguindo o exemplo abaixo:

/etc/init.d/nfs-kernel-server restart

2) Adicionando o volume NFS no Xen Server
Agora que temos um volume NFS exportado precisamos importar este volume de forma que ele fique disponível no sistema. Com o cliente Xen Center abra o aplicativo conforme exemplo abaixo:

– Clique em New Storage;
– Selecione a opção NFS BHD e clique Next;
– Coloque o nome do volume NFS;
– Insira o sharename conforme o exemplo abaixo e clique em Finish

nfs_configuration_01

Depois que você adicionou o volume NFS clique na VM do sistema que você criou vá na aba Storage e clique em Attach Disk. Selecione o volume NFS que você adicionou e clique em Attach conforme o exemplo abaixo.

OBS: Você só verá o novo volume após reiniciar a VM.

nfs_configuration_02

 

Depois que anexar o novo volume a sua VM, você deve iniciar o sistema e procurar por um volume em /dev/xvda …  /dev/xvdb e dai por seguinte. Você pode usar o fdisk -l  para consultar o tamanho do device que foi adicionado em seu sistema. Depois dissso basta formatar com o fdisk, crie um sistema de arquivo com o MKFS e depois é só montar o volume.

Caso tenham dúvida me escrevam

Abraços

 

Fraudes na loja AliExpress

Rescentemente fui prejudicado com um produto de US$ 33,00 que comprei na AliExpress. O produto de tracking RC935587921CN comprado com o vendedor entitulado como Fashion Toy 002 tirou todas as minhas dúvida no ato da compra. Esperei mais de 1 mês que o produto apresentava sempre o mesmo resultado que estava no Brasil e tinha . Hoje fui verificar e descobri que o produto foi entregue em Florianópolis e detalhe sou de São Paulo.

Os vendedores no AliExpress estão enviando produtos de menor valor para endereços de laranjas aproveitando as brechas dos Correios. Entrei em contato com os Correios e me falaram que para que possa abrir uma reclamação referente ao tracking que me passaram eu preciso ter o endereço do remetente ou seja ferrou por que no site Ali Express eles não disponibilizam

Resumindo, estelionatários estão utilizando o site da AliExpress para aplicar golpes em pessoas do mundo todo. Eles passam números de tracking falsos ou algumas vezes válidos porém com envio para outros endereços que não têm nada haver com o seu apenas para constrar como produto enviado. Como o produto apresenta no sistema do AliExpress como entregue ele é automáticamente fechado e com isto você não consegue pedir reembolso.

Fuja da AliExpress, o barato pode sair bem mais caro que você imagina.

Criando um repostiório local de ISO para XenServer

Estava em uma implementação de ambiente XenServer, e me ocorreu a necessidade de configurar uma biblioteca de ISO para poder realizar a instalação das máquinas virtuais. Como eu não tinha a possibilidade de usar uma VM para armazenar a bibliotecas de ISO, configurei uma localmente no próprio Hypervisor. Essa configuração não pode ser realizada pelo Citrix XenCenter, mas pode ser realizada pela CLI sem problemas.

As informações abaixo coletei do blog http://www.riverlite.co.uk. Se você deseja ler o post original, clique no link abaixo:

XenServer – Creating a local ISO Library

Segue abaixo procedimento resumido:

Crie o diretório que será usado para ser a ISO Library:
“mkdir -p /var/opt/xen/ISO_Store”

Crie a ISO Storage Repository
“xe sr-create name-label=LocalISO type=iso device-config:location=/var/opt/xen/ISO_Store device-config:legacy_mode=true content-type=iso”

XenCenter será atualizado de acordo com a imagem abaixo:

Para copiar as isos para a ISO Library, você pode usar o protocolo SCP no Linux ou se estiver no WIndows pode usar o WINSCP.

Pronto! Você já possui uma iso Library Local!

Utilizando o LZMA para comprimir e descomprimir arquivos no Linux, BSD e Unix like

A ideia aqui é uma alternativa para compressão de arquivos em sistema Unix Like, BSD e Linux.
O LZMA possui uma taxa de compressão igual ao BZIP2 porém o processamento dos arquivos para compressão e decompressão é mais rápido.

Abaixo você pode conferir a praticidade para utilização destes software

Comprimindo arquivos:
$ lzma -c --stdout sample.txt >sample.lzma

Descompactando arquivos:
$ lzma -d –stdout sample.lzma >sample.txt

Aumentando o nível de compressão:
$ lzma -9 -c --stdout sample.txt >sample.lzma

* Utilizando a flag de comando -9 é possível aumentar o nível de compressão dos arquivos.